Corinthians não reage e se entrega à Ponte Preta

cdg20160827097.jpg

Perder com um jogador a menos desde aos 18 minutos do primeiro tempo não é um absurdo a nenhum time do mundo. Difícil de aceitar é como se comportou o Corinthians ao ser derrotado por 2 a 0 pela Ponte Preta neste sábado (27/8) em Campinas na 22.ª do Brasileirão. Em nenhum momento o time de Cristóvão Borges incomodou ou deu sinais de que poderia buscar algo de precioso na partida.

Se não mudar de postura e repensar seu sistema de jogo com certa urgência, o Corinthians não vai escapar de derrotas importantes fora de casa. O treinador, nesse caso, não pode ser apontado como o único responsável pelo fracasso. Em Campinas, os jogadores não assumiram a responsabilidade. Acomodados, foram facilmente dominados os 90 minutos.

ANÁLISE DO JOGO

Corinthians não apareceu no primeiro tempo. Antes mesmo de perder Balbuena expulso, aos 18 minutos, o time não havia incomodado o goleiro Aranha. Guilherme e Marlone, peças importantes no jogo contra o Vitória na segunda-feira, não trocaram um passe. Elias e Rodriguinho se sucumbiram à marcação. Era um time sem início, meio e fim.

balbuena-e-expulso-apos-falta-em-roger-da-ponte-preta-1472330494309_615x300

Para complicar a vida do Corinthians, a Ponte encontrou uma solução fácil para chegar na zona de gol. O melhor caminho foram as bolas enfiadas nas costas da zaga. Por ali, Roger teve trânsito livre. De uma dessas jogadas, Roger foi puxado por Balbuena na hora de armar o gatilho do chute a gol. Falta e expulsão do zagueiro.

Com um a mais, o time de Campinas ocupou o território do inimigo. Explorou bem todas as fragilidades do adversário até chegar ao gol com Roger, aos 35. A vantagem no placar fortaleceu a Ponte e enfraqueceu o Corinthians de uma forma assustadora. A defesa era facilmente envolvida. O meio-campo não conseguia levar a bola ao ataque. E Marlone, aclamado pela torcida na última partida, estava desaparecido.

No segundo tempo, Cristóvão voltou com o atacante Romero no lugar de Marquinhos Gabriel. O paraguaio deveria jogar aberto no setor direito, Marlone na esquerda, com Elias ou Rodriguinho infiltrando pelo meio.

Não deu tempo de o time reagir com essa nova configuração. Clayson, aos 5, fez o segundo gol. A Ponte estabelecia definitivamente a hierarquia do jogo. O Corinthians não reagia. O treinador ainda fez uma última tentativa com Lucca na vaga de Rodriguinho . Nada feito.

A derrota era certa e a forma impassível e apática como o time se comportou é de chamar atenção.

FICHA DO JOGO

Ponte Preta 2 x o Corinthians

Gols: Roger, aos 35 do primeiro tempo; Clayson, aos 5 minutos do segundo tempo.

Ponte Preta: Aranha, Nino Paraíba, Douglas Grolli, Fabio Ferreira e Reinaldo; Abuda (Matheus Jesus), Wendell e Thiago Galhardo ; Rhayner (Leo Cereja), Roger (Pottker) e Clayson. Técnico: Eduardo Baptista

Corinthians: Cássio, Fagner, Yago, Balbuena e Uendel; Cristian, Rodriguinho (Lucca) e Elias; Marquinhos Gabriel (Romero), Guilherme (Pedro Henrique) e Marlone. Técnico: Cristóvão Borges

Juiz: Luiz Flavio de Oliveira
Cartões amarelos: Roger, Romero
Cartão vermelho: Balbuena
Renda: R$ 229.720,00
Público: 8.529 pagantes
Local: Moisés Lucarelli

Anúncios