Quando se assume inferior ao adversário, é preciso levar essa condição do início ao fim do jogo. O São Paulo entendeu que deveria ser pequeno diante do Corinthians no clássico neste domingo. Assumiu essa postura e, no momento que poderia surpreender, pagou caro com erros ridículos de sua trinca de zagueiros Lucão, Maicon e Douglas. Do outro lado, em nenhum momento deixou de ser grande, mesmo com alguma soberba nos últimos dez minutos da partida.

Segunda rodada do Brasileirão 2017 aponta o restabelecimento de algumas hierarquias. Corinthians, por exemplo, volta a se impor com aquele estilo de vitórias econômicas e muita segurança. Grêmio contundente, como aprecia Renato Gaúcho. Santos, mesmo nos braços do goleiro Vanderlei, forte na Vila Belmiro. Fluminense sem medo de ser feliz. E a Chapecoense apresentando sua nova identidade.

Futebol é carregado de enigmas como nenhum outro esporte. Não fosse assim, não teríamos como contar a história dos confrontos entre Corinthians e São Paulo nas semifinais do Paulistão 2017.

Rodrigo Caio é um jogador de condomínio, disse uma vez um dirigente do São Paulo Futebol Clube. Referia-se ao jogo simples e ao correto comportamento do, na época, volante promovido dos canteiros do clube. Ele nunca foi viril, nem quando atuou ou atua como zagueiro. É daqueles que antes mesmo de fazer uma falta já pede desculpas ao jogador que vai derrubar. Não bate forte. Prefere assoprar. Quando comete erros, se envergonha. Quando acerta, guarda as glórias no seu íntimo. Nunca deu uma entrevista polêmica, descontando aí a sua juventude. Nem arrumou confusões dentro e fora de campo. Seu perfil é de um bom moço. Em pouco mais de 125 jogos como jogador profissional desde 2011, foi expulso em menos de cinco partidas.