Brasileirão 2019 / análise 3ª rodada: Fernando Diniz renova debate do futebol com virada do Fluminense. Atlético Mineiro vira líder improvável

Fluminense distribui as cartas nesta terceira rodada do Brasileirão 2019 ao vencer o Grêmio por 5 a 4, com uma virada improvável. Um recado de Fernando Diniz aos incautos de plantão. Atlético-MG também banca a mesa com a liderança isolada – três jogos, três vitórias, duas delas fora de casa. Recaídas de São Paulo e Santos entram no cardápio. E o Palmeiras reforça seu poder.

Antes de entrar na análise dos destaques dessa rodada, vamos aos gols: 24 em 10 partidas – média de 2,4 por jogo, contra 3,3 (33 gols) na primeira rodada e 2,6 (26 gols) na segunda.

Diniz e o jogo de nove gols

É ingênuo quem acredita que Fernando Diniz é maluco ou um inconsequente no futebol. Tem pouco tempo de carreira como treinador e, gostem ou não, já tem algo a falar. Não é um novo gênio, muito menos criador de uma fórmula mágica. Mais elogiável de suas ideias é o prazer de ver o time jogar de uma forma simples. Se é adequada aos dias de hoje ou à qualidade dos jogadores, é uma outra história.

Diniz joga como pensa e vê o futebol, diferente de Fabio Carille e Felipão, por exemplo, resultadistas de sempre. E não se penitencia. Toca a vida enquanto os catedráticos da hora primeira excomungam seu pensamento. Pouco importa. A virada por 5 a 4, épica diriam os cronistas, em cima do Grêmio, quando perdia por 3 a 0 com 20 minutos de jogo, é uma síntese do jeito Diniz de ver o futebol. Deu certo no Sul. Pode dar errado no próximo jogo no Maracanã. E daí?

Evoquem Joan Cruyff:Jogar futebol é simples, mas jogar futebol de maneira simples é difícil.”

Líder improvável

Três jogos, três vitórias – duas fora de casa. Quem diria? Mas o Atlético-MG está aí para contrariar a lógica neste início de campeonato. De técnico interino, escorraçado na fase de grupos da Libertadores, sem saber que rumo tomar, o Galo abre o Brasileirão 2019 vencendo as três primeiras rodadas. Triunfos no limite, como o de sábado diante do Ceará no Castelão. Levou um gol aos 24, empatou dois minutos depois e nos acréscimos do segundo tempo confirmou a vitória por 2 a 1, no último lance do jogo com o gol de cabeça do volante Jair. Atlético-MG é o famoso líder improvável. Entra de cabeça pra baixo na competição e três rodadas depois vira o campeonato do avesso.

São Paulo recolhe os punhos

Eufórico com as duas primeiras vitórias no Brasileirão e ainda sob os efeitos positivos da reta final do Paulistão, São Paulo baixou a guarda diante dos reservas – a maioria garotos – do Flamengo. Uma jornada do Tricolor sem impacto, nada contundente como havia feito nas duas rodadas anteriores quando bateu duro e nocauteou Botafogo e Goiás. Sem saber como lidar contra um adversário desconhecido na maioria da escalação, time de Cuca não teve nada de original. Sofreu com jogo truncado e, em alguns lances, bruto dos cariocas. A entrada do zagueiro Thuler em Alexandre Pato representa bem como o Flamengo pensou o jogo e como o São Paulo aceitou. Pato foi parar no hospital. Não por acaso, seis jogadores do Rubro-Negro foram advertidos por cartões amarelos, contra apenas um do time paulista. E o gol de empate (Tchê Tchê) só saiu quase ao fim da partida. São Paulo recolheu os punhos e por pouco não beijou a lona.

Sampaoli conhece o Nordeste

“Mesclar jogadores é pôr em jogo os que estão mais frescos e lúcidos em jogo de um gramado lento, com muito calor. Jogamos há menos de 72 horas e com longa viagem. Será assim em todo o ano, depende da forma dos que terminam os jogos… Calor não é desculpa por não termos ganhado. Não ganhamos pois não concretizamos as chances. Buscamos a vitória. Calor e gramado não são justificativas”, disse Jorge Sampaoli, após empate (0 a 0) contra CSA em Maceió. Treinador argentino sabia que o clima e ambiente não seriam favoráveis ao seu time. Assim como Felipão havia feito na semana passada, quando escalou reservas no estádio Rei Pelé e reclamou um pouco do gramado, Sampaoli repetiu a dose e voltou do Nordeste de mãos abanando.

Palmeiras mais e mais robusto

É louvável questionar Felipão quanto ao modelo de jogo do Palmeiras, mas é imprescindível reconhecer que esse time é duro na queda. Tem uma estrutura defensiva sólida como uma rocha. Por mais que os adversários rondam a muralha em busca de uma fissura, a casa nunca cai. Tradução fiel desse sistema se tornou evidente na vitória por 1 a 0 contra o Internacional, sábado, no Allianz Parque. Fez 1 a 0 – Deyverosn de cabeça – no início da partida e não deu a mínima brecha ao adversário gaúcho. Goleiro Weverton fez apenas uma defesa difícil e quase não teve trabalho. Falta ao Palmeiras de Felipão maior poder de fogo no ataque. Neste jogo contra o Colorado, desperdiçou dois gols mais do que feitos com Hyoran e parou em Marcelo Lomba em cabeçada de Bruno Henrique.

Insossos

Três rodadas e nada a acrescentar a respeito de Corinthians e Cruzeiro. No empate com o Vasco em Manaus, time reserva de Carille  repetiu futebol inodoro dos titulares. A vitória suada do time de Mano Menezes contra o Goiás no Mineirão também entra naquele patamar dos insossos.

Confira resultados da terceira rodada do Brasileirão 2019:

Grêmio 4 x 5 Fluminense

Palmeiras 1 x 0 Internacional

São Paulo 1 x 1 Flamengo

Vasco 1 x 1 Corinthians

Ceará 1 x 2 Atlético-MG

Botafogo 1 x 0 Fortaleza

Santos 0 x 0 CSA

Cruzeiro 2 x 1 Goiás

Bahia 1 x 0 Avaí

Chapecoense 1 x 1 Athletico-PR

 

Confira classificação do Brasileirão 2019 com três rodadas:

(post publicado no Chuteira FC – receba mais informações de futebol)

%d blogueiros gostam disto: