Corinthians sopra as feridas com boa estreia na Copa do Brasil

dsc_7549

Corinthians estreia nas oitavas de final da Copa do Brasil com um resultado que, se não cicatriza feridas do Brasileirão e do desmanche precoce do grupo, dá fôlego a Cristóvão Borges. O empate por 1 a 1 contra o Fluminense fora de casa pode ser um marco na recuperação do time. Chamou atenção a entrega dos jogadores, bem diferente da apatia mostrada na derrota para a Ponte Preta no último sábado. Houve luta. Por isso a torcida aplaudiu ao final da partida no Rio. Sugere uma reconciliação. 

Desde o primeiro tempo, o Corinthians no primeiro foi valente. Povoado com cinco meio-campistas, quis ser forte na marcação, envolvente na troca rápida de passes e contundente na chegada ao ataque com bons finalizadores de fora da área. Receita interessante em jogo de mata-mata fora de casa. Era um time mais físico e menos pensante.

Não fosse a carga pesada dos últimos insucessos no Brasileirão e o desmanche acentuado com a perda de quatro jogadores quase de uma vez, a estratégia de Cristóvão Borges poderia ter funcionado na primeira parte do jogo.

622_325b19b7-653d-32c5-a01c-499ba90bd555

Mas, do outro lado, jogando em casa, o Fluminense era rápido, abria o caminho com jogadas em profundidade e cruzamentos na área. Procurar o gol pelo meio era quase impossível. Daí a insistência no bombardeio aéreo até marcar o primeiro gol em rebote de Cassio aproveitado por Marquinho, aos 37. Nada magnífico, apenas honesto diante da baixa qualidade do seu time.

O drama do Corinthians nem era sofrer um gol tendo como partida o jogo aéreo do adversário como sofreu e sim ter mais posse de bola, valorizar o tempo e dar o bote na hora certa. A missão começava com Cristian e seguia com Rodriguinho, Camacho, Rodriguinho, Marlone e até Guilherme, o jogador mais próximo da grande área. Tinha início e meio, mas não tinha fim. Por isso não incomodou Cavalieri nos 45 minutos iniciais.

No segundo tempo, sob  chuva forte e intensa, Cristóvão voltou com Lucca no lugar de Guilherme. Procurava mais dinamismo no ataque e um jeito de chegar rápido na área do Flu. E puxou os laterais a apoiar com mais intensidade.

A nova combinação funcionou. Acossado, o time carioca recuou de forma abusiva. Atraiu o Corinthians e sofreu duro castigo. Em saída de bola errada, o lateral Leo Príncipe aproveitou o vacilo da zaga e deu ótimo passe para Rodriguinho, livre, empatar, aos 18.

O empate fez o Flu mudar de comportamento. Levir lançou dois atacantes de velocidade para recuperar o prejuízo. Cristóvão trocou Marlone e Camacho, desgastados, por Giovanni Augusto e Willians. Todo cuidado era pouco.

Não havia necessidade de correria. Empate com um gol fora de casa estava bem resolvido. Poderia ter sido ainda mais precioso se Lucca não vacilasse num contra-ataque, aos 41, quando três corintianos chegaram na cara do gol contra apenas Gun. Lucca errou e desperdiçou boa chance de encaminhar a classificação às quartas de final.

O resultado igual pelo menos não machuca o torcedor e ainda reacende jogadores e treinador.

FICHA DO JOGO

Fluminense 1 x 1 Corinthians

Gols: Marquinho, aos 37 minutos do primeiro tempo; Rodriguinho, aos 18 do segundo tempo.

Fluminense: Diego Cavalieri, Wellington Silva, Gun, Henrique e William Matheus; Douglas, Cícero e Gustavo Scarpa; Wellington, Henrique Dourado (Marcos Jr) e Marquinho (Danilinho). Técnico: Levir Culpi.

Corinthians: Cassio, Leo Príncipe, Yago, Balbuena e Uendel; Cristian, Camacho (Willians), Rodriguinho, Marquinhos Gabriel e Marlone (Giovanni Augusto); Guilherme (Lucca).  Técnico: Cristóvão Borges.

Juiz: Elmo Alves Resende
Cartões amarelos: Cassio, Giovanni Augusto, Wellington, Cícero, Marcos Jr
Renda e público: não divulgados
Local: Giulite Coutinho

Anúncios