Cristóvão Borges está por um fio no comando do Corinthians

57da2618d26adLimite de Cristóvão Borges no Corinthians é o clássico contra o Palmeiras neste sábado no Itaquerão. Se vencer, a fervura abaixa e o time continua na bica por uma vaga na Libertadores e até na briga pelo título. Se perder em casa, onde ostenta uma longa invencibilidade, sua cabeça será servida na bandeja.

É quase uma queda anunciada. Nem é por pressão de conselheiros – uma artimanha usada nos clubes quando se pensa e deseja trocar de treinador. Trata-se de avaliação mesmo do comando do Corinthians de olho nas provisões de caixa em 2017

Nas contas dos dirigentes de alta patente do Alvinegro estão prejuízos incontroláveis se o time não conquistar uma vaga na Libertadores de 2017. A necessidade é de manter a média de público beirando os 30 mil no Itaquerão, elevar faturamento com as cotas de televisão e abocanhar os bônus milionários de participação na competição internacional.

Sem essa grana e mais as obrigações financeiras de pagar o Itaquerão com aportes mensais, o Corinthians corre risco de ficar no vermelho. Sem caixa não faz um bom time. Sem time bom não se briga por título e desilude sua massa de torcedores, que deixa de lotar o Itaquerão.

É por isso que Cristóvão Borges está tão seguro como quem anda no imaginário fio da navalha. De olho em 2017, o comando do clube espera mais ambição do seu treinador. Mais vontade, com v maiúsculo, de vencer.

E o que se tem nas mãos foram os últimos dois resultados – derrota de virada na Vila para o Santos e empate com o Coritiba fora de casa quando o adversário perdeu um jogador expulso aos 35 minutos do segundo tempo.

No clássico contra o Santos, Cristóvão foi acusado de mudar mal o time. Se ofereceu ao rival. Na partida desta quarta-feira no Paraná fez apenas uma substituição, assim mesmo por obrigação ao perder o lateral Uendel machucado.

“A equipe estava bem, jogo fluindo, desenvolvendo bem, conseguindo variações que precisa. Às vezes uma alteração podia surtir efeito, mas também podia desarrumar algo arrumado. A equipe estava indo bem, por isso não alterei”, disse Cristóvão Borges.

“Em termos de resultado não estamos satisfeitos, porque se você não ganha vai perdendo posição, como perdemos. Mas pela partida que fizemos, nessa busca pela constância, precisávamos dar uma resposta, e demos. É um fator positivo para nós, e o próximo jogo é um clássico. Tivemos coisas bastante positivas”, emendou.

Essas declarações do treinador não se alinham com o pensamento do comando do Corinthians. Com Roger Machado no mercado, após se demitir do Grêmio nesta quarta-feira, e a sombra eterna de Vanderlei Luxemburgo, Cristóvão está por um fio no Corinthians.

A foto de Cristóvão, do próprio site do Corinthians publicada na abertura desse post, diz tudo. Atentem para o detalhe da seta na porta do banheiro.

Anúncios