Seleção Brasileira veste azul, vence Paraguai e divulga manifesto

Richarlison, Neymar e Gabriel Jesus celebram gol do Brasil – foto: CBF

De camisa azul, Seleção Brasileira vence Paraguai por 2 a 0, quebra tabu de 35 anos sem vitórias contra este adversário fora de casa em jogos de Eliminatórias de Copa do Mundo e, por meio de um manifesto dos jogadores, confirma participação na polêmica Copa América 2021.

O Jogo

Tite armou a Seleção com seu modelo preferido: Gabriel Jesus e Richarlison, atacantes de lado, Firmino e Neymar na articulação e dois volantes de proteção com Casemiro e Fred. Funcionou.

Não deu tempo de o Paraguai se ajustar ao modelo de jogo do Brasil. Escorado em um sistema defensivo com cinco zagueiros e três volantes cães de guarda, sofreu um gol logo aos três minutos. Neymar conferiu uma jogada criada por Gabriel Jesus, na função de ponta-direita.

O gol precoce colocou dúvidas na marcação paraguaia e também o que fazer no ataque. Sair com tudo ou com cautela sob pena de levar mais um castigo?

Resposta teria de vir rápida. Então de um rebote de escanteio, Alderete mandou um míssil (a 109 km/h) ao gol do Brasil. Ederson se esticou e mandou a escanteio.

E o Paraguai parou neste chute. Não teve como dar as cartas. A Seleção Brasileira assumiu controle do jogo marcando forte, com ajuda de Jesus na direita e Richarlison nos extremos e Fred e Casemiro na guarita do portão de entrada.

Paredão instransponível e bom para Neymar. Livre, com visto no passaporte para circular no campo paraguaio, o craque da Seleção conduzia o jogo a seu gosto. Faltou apenas melhor companhia de Firmino.

Com Neymar absoluto, Seleção Brasileira mandou nos 45 minutos. Segura, sem sustos. Tudo muito tático e burocrático, ao mais puro estilo Tite.

Tem sido assim. O time cumpre suas tarefas, jogadores se dedicam ao máximo. Jogo se encaixa, mas sem arte, sem improvisos. Engrenagem em sintonia fina, sem barulho, com todas peças funcionando. Tem quem goste.

No segundo tempo, Tite volta com Lucas Paquetá no lugar de Fred, amarelado por falta forte. Treinador usava do mesmo expediente praticado no jogo contra o Equador quando Paquetá recuou da meia para funcionar como segundo volante.

Brasil opta por contra-atacar em vez de se impor pela superioridade técnica. Paraguai se anima e troca marcadores por atacantes. Ensaia uma pressão em cima da Seleção

Tite resolve então trocar o atacante Firmino pelo volante Douglas Luiz, aos 27 minutos. As recaídas de sempre de um treinador que privilegia a segurança.

Chama o Paraguai ao campo do Brasil. Sofre. Só reage a partir dos 35 minutos quando troca Richarlison e Jesus por Everton Cebolinha e Gabigol. Uma busca por velocidade e precisão no ataque.

Nos acréscimos, Neymar arruma um contra-ataque e serve Lucas Paquetá para marcar o segundo do Brasil. Era o fim de um tabu de 35 anos sem vitória da Seleção contra o Paraguai fora de casa nas Eliminatórias de Copa do Mundo. A última vez também foi um 2 a 0 – gols de Casagrande e Zico em 1985.

Missão cumprida. Em seis jogos nas Eliminatórias da Copa 2022 seis vitórias – 18 pontos e liderança com folga na tabela com seis pontos de vantagem em cima da Argentina, segunda colocada.

Confira manifesto dos jogadores: