Vírus do Camelo derruba França na véspera da final

foto: Twitter Fifa oficial

França corre risco de perder jogadores importantes para decisão da Copa Qatar 2022 contra Argentina neste domingo (18/12). Cinco jogadores estão gripados, com a síndrome do “vírus do camelo”, e podem desfalcar a seleção.

Acompanhe o drama da França e entenda o que é o “vírus do camelo” na reportagem do importante jornal argentino La Nación republicado aqui no Blog do Prósperi:

Primeiro foi Dayot Upamecano e Adrien Rabiot. O mais recente, Kingsley Eat. Os três jogadores franceses apresentaram sintomas de uma doença respiratória conhecida como “vírus camelo”: os dois primeiros perderam a partida de quarta-feira contra o Marrocos, pelas semifinais do Qatar 2022. O terceiro é dúvida para a partida decisiva de domingo, contra a Argentina. Agora, um novo alarme soou: zagueiros Raphael Varane e Ibrahima Konaté também são vítimas desse vírus, segundo o jornal L’Equipe.

A comissão técnica francesa, que treina ao ar livre no Al-Khor, foi extremamente criteriosa e seu técnico, Didier Deschamps, espera contar com todos os seus jogadores para defender o título conquistado há quatro anos na Rússia.

“Coman não estava 100% disponível, porque teve dias difíceis e continuou febril durante o dia. Adrien (Rabiot) adoeceu um pouco mais tarde, ele estava melhor esta tarde, mas não o suficiente e ele ficou no hotel. Como temos quatro dias, ele deve estar disponível para a final”, disse na quinta-feira, Didier Deschamps, o técnico francês que está no cargo há uma década. O Upamecano, aliás, já voltou aos treinos coletivos nesta quinta-feira. Rabiot melhora dos sintomas e Coman segue, por enquanto, afastado dos treinos.

“É a temporada de gripe e, nesse sentido, temos que ser cautelosos”, acrescentou Deschamps. E frisou: “Outro ponto, os jogadores tiveram de fazer um esforço físico enorme e o seu sistema imunitário sofre”. De qualquer forma, Deschamps optou por suavizar a preocupação com a doença: “As temperaturas caíram nos últimos dias. Tem de se cuidar a todo o momento, mas quanto ao vírus, a verdade é que não estou preocupado», acalmou o treinador.

“Sem entrar em paranóia, tomamos precauções com Dayot (Upamecano), com quem aconteceu depois da Inglaterra, e com Adrien (Rabiot)”, insistiu Deschamps, citado pelo jornal francês Le Figaro.

No mesmo jornal, o volante Aurelién Tchouaméni confirmou que existem medidas preventivas na concentração francesa para evitar que o vírus se espalhe antes da final:

“Estamos mais cuidadosos e há mais álcool gel nas mesas. Esperemos que todos estejam saudáveis ​​para o próximo jogo. É uma final e queremos manter todos presentes”, estava esperançoso o jovem jogador do Real Madrid, autor de um dos gols contra a Inglaterra nas quartas de final da Copa do Mundo.

“Adri (Rabiot) está doente, mas não é grave. Espero que esteja disponível para a final”, disse o defesa Theo Hernández, “Estamos a pensar nele e esta vitória também é para ele”, acrescentou Randal Kolo Muani, ambos no Le Figaro.

As lesões são o carma da França na Copa do Mundo. A equipe perdeu cinco titulares devido a problemas físicos antes do início do torneio. E outros dois já no emirado.

Antes da bola rolar, o DT ficou sem o goleiro Mike Maignan, o zagueiro Presnel Kimpembe e os meias Paul Pogba, Kanté e Nkunku. Já no emirado, Karim Benzema (último vencedor da Bola de Ouro) também teve de ser afastado. E na partida contra a Austrália pela fase de grupos, lesionou-se o lateral-esquerdo titular Lucas Hernández, que deixou a concentração no Al-Khor. Resumo: A França disputou a Copa do Mundo com sete jogadores a menos. Ainda assim, ele chegou à final.

A dois dias da final contra a Argentina, Raphael Varane e Ibrahima Konate, titulares do centro da defesa frente aos marroquinos, juntaram-se à lista de prejudicados. O primeiro apresenta sintomas leves, enquanto o segundo é um pouco mais pronunciado. A equipe do Les Bleus monitorará de perto a situação nas próximas horas.

Dois outros “machucados”

Na formação francesa houve outras duas ausências notáveis. Aurelien Tchouameni e Theo Hernandez não atuaram com o resto do grupo, devido a padecimentos que afetam os dois, titulares inabaláveis ​​no processo da Copa do Mundo. O meia do Real Madrid, figura central e autor de um golaço nas quartas de final contra a Inglaterra, sofreu uma pancada no quadril. Entretanto, o lateral esquerdo tem uma pancada num dos joelhos. Outra dor de cabeça para Didier Deschamps antes da final do próximo domingo.

O QUE É O VÍRUS DO CAMELO?

Embora o departamento médico da seleção francesa não tenha confirmado o diagnóstico dos três futebolistas que apresentaram sintomas gripais, o jornal desportivo espanhol noticiou que a doença que atinge o campo francês é o chamado “vírus camelo”.

“O vírus referido às infecções de jogadores franceses, associadas a camelos, é certamente o que causa MERS (por sua sigla em inglês), um coronavírus que gerou diferentes surtos nas últimas duas décadas no Oriente Médio, principalmente devido a o reservatório que os camelos têm e foi demonstrado que tem menos poder contagioso até o momento, em comparação com o que sabemos sobre o SARS-CoV-2, causador do coronavírus ”, explicou o infectologista Javier Fariña em um telegrama da agência Télam.

O especialista acrescentou que a doença “pode dar um quadro de pneumonia grave ou um quadro respiratório trivial, como uma gripe, mas é mais letal que o SARS COV2, principalmente porque o quadro é muito maior nos pulmões do que nas vias aéreas superiores”. do coronavírus”. Além disso, Fariña lembrou como evitar a propagação desta doença: “As medidas de prevenção são as mesmas, como o uso de máscara, distanciamento social e locais com pouca ventilação e aglomeração de pessoas são os mais propícios ao contágio.”


Youtube – Acompanhe bastidores da Seleção e Qatar 2022 no canal @prosperinacopa: https://www.youtube.com/@prosperinacopa