Cinco análises de futebol para você fechar a noite desta quinta (09/6)

UnknownO dia foi de recordações no futebol e uma volta ao passado. Logo de manhã, fomos despertados com o encontro de Pelé e Maradona em um evento de um patrocinador da Eurocopa na França. No Brasil, o veterano Fred disse adeus ao Fluminense, depois de acertar sua transferência ao Atlético-MG. O 7 a 1 da Alemanha voltou às manchetes como referência ao 7 a 1 do Brasil no Haiti. Muricy Ramalho colocou um ponto final na sua carreira de treinador. E cerca de 100 mil pessoas foram à fã-fest nos jardins da Torre Eiffel celebrar a abertura da Eurocopa 2016, que começa nesta sexta-feira (10/06). O torneio deve ser marcado pelo medo do terrorismo e futebol de primeira qualidade.

1. ENCONTRO DE REIS
Pelé e Maradona apareceram juntos no Palais Royal de Paris, em um encontro difícil de se imaginar tendo em vista as desavenças, digamos ideológicas, entre dois mitos do futebol. O argentino, mais falante que o brasileiro, anunciou: “Chega de briga.”

Análise – As cenas do encontro dos dois astros do futebol são comoventes. Pelé, aos 75 anos, caminhava escorado em uma bengala. Maradona, 55, andava curvado, quem sabe vítima de artrose. Em nome de uma grife famosa de relógios, os dois trocaram abraços, caminharam de mãos dadas. “O mais importante é a mensagem de paz. Obrigado meu amigo Maradona por esta oportunidade”, disse Rei Pelé. Sinceramente, nenhum deles precisava passar por este constrangimento. Não eram inimigos, apenas tinham e têm ideias divergentes. A empresa que bancou o encontro não revelou quanto pagou de cachê. Pelé, em outro evento, fechou em Londres três dias de leilões de 2 mil peças de seu acervo pessoal. Foram arrecadados cerca de R$ 17 milhões. Réplica da Taça Jules Rimet, entregue a Pelé pela Fifa, foi arrematada pela Hublot, fabricante de relógios, por R$ 2 milhões. A mesma Hublot bancou o encontro de Pelé e Maradona em Paris.

2. ATAQUE DE 2006
Fred trocou o Fluminense pelo Atlético-MG. Vai se juntar a Robinho. Os dois formavam a dupla de ataque dos reservas da Seleção Brasileira na Copa de 2006. Eram a esperança de vingar no futuro do escrete com a aposentadoria de Ronaldo e Ronaldinho Gaúcho. Não aconteceram.

robinho2_reuAnálise – Fred deixou o Fluminense, após 7 anos, na queda de braço com o técnico Levir Culpi. O atacante não admitia perder o status de líder maior do grupo. Salários na casa dos R$ 800 mil, ele resolveu migrar para o Atlético-MG, clube com uma folha de pagamentos de dar inveja a times europeus. Lucas Pratto recebe R$ 335 mil, Robinho R$ 700 mil e Fred, segundo diz a imprensa de Minas, deve receber os mesmos R$ 800 mil do Flu. Fred deve jogar ao lado de Robinho, revivendo a dupla que não deu certo na Copa de 2006. É tempo demais. O Galo espera por um volta ao futuro.

 3. O NOSSO 7 a 1
A goleada da Seleção Brasileira para cima do inocente time do Haiti veio acompanhada de referências ao autêntico 7 a 1 da Alemanha. Rendeu ironias nas redes sociais e mereceu de Dunga uma análise séria, sem se deixar levar pelas galhofas.

Unknown-3Análise – Mais que a coincidência do placar dos dois jogos, chama atenção uma provocação debatida nos programas esportivos ao longo do dia: como o futebol brasileiro estava no 7 a 1 da Alemanha e como está hoje no 7 a 1 contra o Haiti. Sem muitas teses, o Brasil não saiu do lugar. Dunga assumiu a seleção após o desastre na Copa de 2014 e, dois anos depois, ainda não deu um novo perfil ao escrete. As mudanças foram apenas nos nomes, a concepção do futebol continua a mesma.

4. MURICY SE RETIRA
Aconselhado por médicos e familiares, Muricy Ramalho colocou um ponto final na sua carreira de treinador. Em entrevista à Rádio Jovem Pan nesta quinta-feira, disse que seus problemas de saúde estavam ligados ao forte stress de sua atividade de treinador. Não seria interessante continuar neste ritmo, sob pena de sofrer um mal maior. Admitiu que deve continuar no futebol, talvez como um coordenador técnico.

muricy-ramalho-sao-paulo-2015_1aq6mvgrcknuh1f17cotj6ey6z

Análise – Muricy sempre foi um inquieto. “Aqui é trabalho”, batendo a mão esquerda no braço direito, carregou esse bordão como uma marca registrada. Representa muito bem seu jeito de ser no dia a dia do futebol. Também não era de fazer média com ninguém. Poderia ter vida longa no esporte porque é daqueles que têm alma, quer concordem ou não com seu pensamento do futebol. Fora do campo, seu trabalho é uma incógnita.

5. EUROCOPA 2016
Cerca de cem mil pessoas se reuniram nesta noite de quinta-feira nos jardins da Torre Eiffel na fã-fest de abertura da Eurocopa de 2016. Foi o primeiro teste do super-esquema de segurança montado pela França contra o terror.

1465497928_811597_1465499239_noticia_normal_recorte1

Análise – Os franceses resolveram bancar a Euro, torneio de seleções que só perde em importância para a Copa do Mundo, mesmo sob ameaça constante do terrorismo. Feridas dos atentados, que mataram 130 pessoas no final do ano passado, continuam abertas. Mais de cem mil agentes de segurança estão espalhados por todo o país, em alerta máximo. A bola rola a partir desta sexta-feira (10/6) com França x Romênia. Há tensão no ar e a expectativa de grandes jogos. Nesta sexta-feira, você leitor deste blog terá análises e informações da Eurocopa com mais detalhes.

Anúncios