Corinthians começa a vida sem Tite com derrota

Viver sem Tite não vai ser nada fácil ao Corinthians, pelo menos até um novo chefe assumir e impor seu estilo. No primeiro jogo sem seu mentor, agora a serviço da Seleção Brasileira, o time foi derrotado por 1 a 0 pelo Fluminense nesta quina-feira (16/6), na sétima rodada do Brasileirão.

Uma derrota cara, dura de digerir, em especial pelas circunstâncias do jogo e os problemas que a equipe enfrentou a partir do pênalti e da expulsão de Yago.

O JOGO
Menos compacto no primeiro tempo, o Corinthians não teve a intensidade tão batida a ferro e fogo nos tempos de Tite. A organização era a mesma, a rigidez é que não. Sem a voz de comando à beira do campo, os jogadores tomavam decisões próprias sem muito sucesso.

No balanço dos 45 minutos iniciais, ainda sob o impacto emocional da falta de Tite, o time paulista esteve mais perto do gol. O melhor caminho foram as investidas de Uendel e Marquinhos Gabriel no setor esquerdo. Por duas vezes Guilherme deixou Marquinhos em situação clara de gol – desperdiçadas por falta de capricho nas finalizações.

Do ponto de vista de organização tática, o Corinthians não mudou uma vírgula das ordens do seu mentor. Bem postado na defesa e rápido na transição ao ataque. O maior problema foram os erros de passes, sempre a travar uma chegada mais forte na casa do adversário carioca.

Alguns furos no sistema defensivo também foram notados em bolas esticadas nas costas dos zagueiros. Nada muito preocupante.

Do lado do Fluminense quase nada a se destacar. Chamou a atenção a lentidão do meio-campo na hora de sair para o jogo e o apetite exagerado de Gustavo Scarpa, um faz de tudo como se fosse dono do time. Abusou nas jogadas de efeito e prejudicou sua equipe.

No segundo tempo, o Corinthians voltou com Cássio no gol – Walter saiu com dores na virilha. Já havia perdido Elias – entrou Rodriguinho -, com uma pancada nas costelas.

A VEZ DE YAGO
Com 15 minutos de jogo morno, sem lucidez dos dois times, Yago comete um pênalti sem necessidade em Cícero e sai expulso. Cícero bate, Cássio rebate e na sequência o jogador do Fluminense manda para a rede: 1 a 0. Dali para frente o jogo seria outro.

Sem Yago, o interino Fabio Carille arriscou com o volante Camacho no lugar do meia Guilherme. O time ficaria com apenas Balbuena na zaga – Bruno Henrique recuou para fazer o papel de segundo zagueiro.

Em desvantagem numérica e ainda com a derrota parcial nas costas, era preciso mais que cabeça fria e equilíbrio. A torcida esperava por uma dose de raça na veia e entrega. De nada adiantava olhar para beira do campo, se a voz de comando não estava mais lá.

Houve luta, faltou futebol e um pouco mais de precisão no toque final, apesar da enorme pressão nos minutos finais do jogo. Desde o início da partida os jogadores do Corinthians sabiam que não seria fácil viver sem Tite. A derrota entra nessa conta.

Anúncios