Santos continua sem convencer sua torcida, mesmo com vitória diante do Internacional na Vila

rfd_1422

Santos não convence e sai vaiado por pouco mais de sies mil torcedores na Vila Belmiro ao derrotar o Internacional por 2 a 1, na abertura das quartas de final da Copa do Brasil. As vaias traduzem o fraco futebol do time de Dorival Júnior, incapaz de vencer com boa margem de gol um adversário estrangulado e sem horizonte. No jogo da volta, em outubro no Sul, se classifica até com um empate. O Inter precisa de uma vitória de no mínimo por 1 a 0 para avançar às semifinais. 

“A situação está uma m… Não aproveitamos duas, três chances claras no primeiro tempo. No segundo, sabíamos que os 15 minutos seriam fatais, sofremos os gols. Lamentável. Menos pior que a derrota foi por 2 a 1. Está tudo muito difícil”, disse Seijas, meia do Inter.

“Não queríamos levar o gol. O importante é que vencemos e vamos com vantagem no jogo no Beira-Rio”, disse Lucas Lima

Primeiro tempo do Santos não teve nada de proveitoso. Criou pouco, não se desamarrou da marcação do Inter e, quando construiu jogadas de ataque, finalizou muito mal ao gol de Danilo Fernandes. Futebol pobre, sem ideias.

Neste cenário sem luz, Lucas Lima quis ser o dono do jogo, mas errou a maioria das tentativas de servir seus companheiros na linha de frente.

Internacional também não apareceu. Assustado diante da complicada situação no Brasileirão, transferiu seu drama à Copa do Brasil. Time improvisado com uma coleção de reservas, viveu no limite da marcação e raros e mal executados contra-ataques. Pouco.

O enredo mudou por completo no segundo tempo. Logo aos 3 minutos, em boa trama de Lucas Lima com Zeca, Copete escorou cruzamento rasteiro do lateral e fez o primeiro gol santista. Sete minutos depois, em investida pelo setor direito, agora com Victor Ferraz e Lucas Lima, a bola chegou fácil para Rodrigão disparar e marcar o segundo gol.

622_d2361929-f01d-35df-8a22-cbc805b94b2b

Mesmo em desvantagem, com dois gols nas costas, o Inter não saiu de seu terreno. Não tinha repertório e muito menos gente de cabeça arejada para mudar o curso do rio.

Mas o improvável ajudou o time gaúcho. Marquinhos, com câimbras, deu seu lugar a Vitinho. O time passou a ter mais opções ofensivas. E, numa arrancada, o zagueiro Ernando conseguiu uma falta. Vitinho bateu e Seijas, de letra, descontou para o Inter, aos 27. Gol importante para o jogo de volta no Beira-Rio.

Roth tratou de trancar ainda mais o portão e trocou o atacante Nico López pelo volante Rodrigo Dourado. Estava satisfeitíssimo com a derrota por 2 a 1.

Cabia ao Santos se reinventar em busca de mais gols, ampliar vantagem. O problema é que havia perdido a conexão entre o meio e o ataque. Muita pressa, nenhuma inteligência na transição.

Lucas Lima desapareceu. Victor Ferraz e Zeca se sucumbiram à marcação. Renato e Thiago Maia não conduziam a bola até o ataque. Dorival Júnior ainda mudou o ataque com Paulinho e Joel nos lugares de Vecchio e Rodrigão. Nada feito.

No fim das contas, venceu por diferença mínima e deixou o derrotado Inter vivo na Copa do Brasil. A torcida santista, não mais que seis mil torcedores na Vila, mostrou sua insatisfação com vaias moderadas.

FICHA DO JOGO

Santos 2 x 1 Internacional

Gols: Copete, aos 3; Rodrigão, aos 10; Siejas, aos 27 do segundo tempo

Santos: Vanderlei, Victor Ferraz, Luiz Felipe, David Bras e Zeca; Thiago Maia (Rafael Longuine), Renato e Lucas Lima;  Vecchio (Paulinho), Rodrigão (Joel) e Copete. Técnico: Dorival Júnior

Internacional: Danilo Fernandes, Fabinho, Eduardo Gabriel, Ernando e Arthur; Eduardo Henrique, Fernando Bob, Marquinhos (Vitinho), Valdivia e Seijas (Ceará); Nico López (Rodrigo Dourado). Técnico: Celso Roth.

Cartões amarelos: Arthur, Fernando Bob, Paulinho.
Renda: R$ 239.880,00.
Público: 6.592 pagantes
Local: Vila Belmiro

Anúncios