Cuca encurrala Tite e Palmeiras vence clássico no Pacaembu

IMG_3051 (1)
Fernando Prass celebra sua defesa no pênalti do Corinthians – Foto: Alex Silva

Desde 17 de setembro de 1995, o Palmeiras não derrotava o Corinthians no Pacaembu. Neste domingo, diante de pouco mais de 22 mil torcedores, colocou um ponto final nessa história. Quebrou o tabu com a vitória por 1 a 0. E mostrou a importância de o clube ter investido em Cuca. O técnico encurralou Tite e abriu um novo horizonte para um grupo de jogadores inseguros com a autoestima despedaçada.

Cuca conseguiu reorganizar o Palmeiras, na sua sexta partida no comando do time. Diante de um rival poderoso, bem estruturado, e sob a batuta do técnico mais badalado do Brasil, o treinador palmeirense encontrou uma boa solução. Remontou o sistema defensivo, com uma marcação impecável em Elias, Giovanni Augusto, Guilherme e Lucca, e impediu o Corinthians de transitar rápido do seu campo à zona de gol.

Mais que a estratégia, aliás bem feliz, Cuca também deu um gás nos jogadores do Palmeiras. Passou mais confiança, na base do “sim, vocês podem”. Os atletas entenderam o recado e cumpriram com rigor suas tarefas, sem abaixar a cabeça.

Do lado do Corinthians, faltou um pouco mais de ousadia. O time se rendeu à marcação do inimigo. Não conseguiu encaixar as famosas triangulações e infiltrações de surpresa na área do adversário. Sem saída, fez um jogo burocrático à espera de um erro do Palmeiras. Pouco para um time ambicioso e também a Tite, favorito a assumir o posto de Dunga na Seleção Brasileira.

Com este enredo, o clássico ficou amarrado, sem emoção. Não se viu um lance diferente, uma jogada de impacto, um drible de relevância.

No segundo tempo, o jogo se transformou. O Palmeiras continuou organizado, marcando forte e rondando a área de Cássio. Tite saiu da burocracia com Romero na vaga do quase inútil Guilherme e o garoto Maycon no lugar do Elias, cansado. Sinal de  que iria para cima.

Cuca respondeu com Dudu na vaga do correto, só isso, Robinho. Queria algo de diferente no clássico. E Dudu era o nome. Antes de o atacante aparecer e dar as cartas, o jogo mudou seu curso com a extraordinária defesa de Prass na cobrança de pênalti de Lucca. Aliás, o pênalti existiu de Thiago Martins em  Giovanni Augusto.

IMG_3052
Dudu comemora seu gol com Cuca e companheiros – Foto: Alex Silva

Na sequência do ato de Prass, Dudu, baixinho, fez o gol de cabeça diante do gigantão Cássio. Dudu não estava impedido no gol da vitória, da redenção. E o clássico acabava ali.

Mais tarde, rodeado de repórteres, Dudu disse assim: “Briguei com os médicos (ele estava com uma lesão na coxa) para jogar. Eu gosto de jogos assim”. Dito e feito.

Com o resultado, Cuca volta a respirar e abre um novo horizonte ao Palmeiras. Vencer clássicos faz um time renascer.

Anúncios