Cuca volta ao Palmeiras e treinadores se mobilizam contra demissão de Baptista

Cuca reassumiu o comando do Palmeiras, após cinco meses de sua saída. Volta para ocupar o lugar que era de Eduardo Baptista, demitido na quinta-feira. A queda de Baptista provocou a mobilização de importantes treinadores em repúdio à demissão de um jovem profissional que estava apenas há cinco meses no clube. Por meio do grupo que eles têm no Whatsapp, trocaram mensagens e combinaram de se manifestar contra a decisão do Palmeiras.

O tom dos protestos sugere que os técnicos estão preocupados em defender a classe, até então muito desunida e sem força nas instituições que comandam o futebol brasileiro. Até Felipão mandou seu recado lá da China.

“Um absurdo a demissão dele (Eduardo Baptista). Está na hora de os técnicos se manifestarem para acabarmos com este tipo de situação”, disse Felipão. O treinador já havia se manifestado aqui no Chuteira FC sua indignação como os técnicos são tratados no Brasil. Pediu união dos treinadores e defesa da classe.

A atitude de Felipão foi acompanhada por boa parte de comandantes de clubes da Série A. Abel Braga (Fluminense), Rogerio Ceni (São Paulo), Fabio Carille (Corinthians) e Zé Ricardo (Flamengo) se manifestaram nas coletivas de imprensa também em tom crítico à decisão do Palmeiras. E devem aparecer em mais declarações neste fim de semana. O repúdio não se deu apenas pela demissão em si de Baptista, mas também por intervenção direta de dirigentes no trabalho do treinador.

Muitos desses treinadores foram informados de alguns acontecimentos nos bastidores do jogo que culminaram com a queda do técnico. A história que chegou até eles foi de que na última preleção de Baptista, antes do jogo contra o Jorge Wilstermann, quando ele anunciou que William seria titular e Borja (atacante contratado por R$ 35 milhões) ficaria no banco, o diretor executivo de futebol Alexandre Mattos teria ficado furioso, saiu cuspindo marimbondos da sala de preleção e teria se recusado a seguir no ônibus com a delegação do Palmeiras até o estádio do time boliviano. Essa atitude de Mattos também provocou ainda mais a revolta geral entre os treinadores.

31754087634_24058aacac_o 

Veja o que disseram alguns técnicos a respeito da demissão de Eduardo Baptista:

Abel Braga

“Quero quebrar o protocolo. Cada vez ficamos mais sem entender as coisas como treinador. Já não entendi a demissão do Marcelo Oliveira (Atlético-MG) no meio de duas finais. Agora vai começar o Brasileiro, todo time quer chegar na Libertadores. O Eduardo Baptista está em primeiro do seu grupo e é demitido. Qual o projeto?”, questionou Braga, treinador do Fluminense. “É um técnico jovem, como todos querem, um cara sério e ótimo treinador. É uma marca negativa do nosso sindicato, da nossa associação. Vamos falar de coisa boa, porque só se conta história triste sobre os treinadores”.

Felipão

“Um absurdo a demissão dele. Ele está na liderança do seu grupo na Libertadores e praticamente classificado. Tem só quatro meses de trabalho. É um técnico jovem e quando se aposta assim tem que dar respaldo e tempo para o crescimento do trabalho. A culpa não é só do técnico, tem que se observar outros fatores e setores do clube que determinam um momento irregular de uma equipe”, bateu Felipão.

“No caso do Eduardo Baptista ainda teve uma parcela de responsabilidade de parte da imprensa que fez uma pressão para sua saída. Ele é uma vítima. Gostaria de estar aí para dar um abraço nele neste momento. Está na hora dos técnicos se manifestarem para acabarmos com este tipo de situação”, insistiu Felipão, direto da China.

Rogerio Ceni

“Leio muito pouco e não me sinto pressionado. Vejo muita gente que não entende de futebol dando opiniões. A tendência da imprensa é sempre apimentar. Lamento a saída do Eduardo porque acho que vinha fazendo um ótimo trabalho. Tinha 67% de aproveitamento. Caiu de maneira inesperada na semifinal para a Ponte Preta, mas tinha totais condições de levar o Palmeiras longe nas próximas competições. Honestamente não perderia meu tempo brigando com vocês (imprensa), não ganharia nada com isso. Mas veja o jogo com o Peñarol. Você vira perdendo de 2 a 0, vai para 3 a 2, acontece tudo que aconteceu. Você tem uma vitória épica e é normal que tenha um desabafo (de Eduardo Baptista). Aqui, antes de um treino, a reação seria completamente diferente”, critica o técnico do São Paulo.

Fabio Carille

“O que se passou lá dentro (do Palmeiras) só o presidente, o diretor e ele (Baptista) sabem. De qualquer forma não se levou em conta o trabalho e sim o resultado. Um resultado ruim num mata-mata (derrota para a Ponte Preta na semifinais do Paulistão) não pode levar à saída do profissional. No mata-mata, às vezes você não está num bom dia, as coisas não se encaixam, e você perde. Repito, é triste. Mas o que realmente aconteceu só eles lá dentro é que podem falar”, disse Carille ao ser questionado sobre a demissão de Baptista.

 

(texto publicado no CHUTEIRA FC)

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: