Análise dos jogadores da Seleção: Casemiro diminui a Colômbia e Coutinho renasce com Tite

20160906231431_57cf78075aedf
Casemiro tomou conta do meio-campo – fotos Pedro Martins/Mowa Press

Brasil vence Colômbia em casa por 2 a 1 no segundo jogo sob o comando de Tite, entra na zona de classificação da Copa do Mundo de 2018 e consolida alguns jogadores até então fora do primeiro escalão nos tempos de Dunga. Nesta partida em Manaus, Casemiro e Philipe Coutinho deram hierarquia à Seleção Brasileira. Veja análise do desempenho de cada um e as notas:

ALISSON
Teve trabalho apenas em bolas levantadas na sua área. No gol da Colômbia, não tinha como interceptar o cruzamento. Inseguro com Dunga, parece restabelecer a confiança com o novo comando da Seleção – nota  6

DANIEL ALVES 
Não comprometeu na marcação. Apareceu menos no apoio no ataque como costuma fazer tanto na Seleção como nos tempos de Barcelona. Capitão eleito por Tite neste jogo com a Colômbia, foi discreto – nota 6

MARQUINHOS
Infeliz ao marcar de cabeça o gol contra na tentativa frustrada de interceptar jogada aérea iniciada com James Rodriguez. No chão, não decepcionou e ainda cobriu bem as descidas de Daniel Alves ao ataque – nota 5

MIRANDA
Muito bem na jogada ensaiada que resultou o primeiro gol do Brasil. Bem também no jogo aéreo na defesa. Não apareceu forte no socorro ao lateral Marcelo quando Cuadrado entrou para jogar aberto na ponta-direita – nota 6

MARCELO
Muito à vontade no primeiro tempo, quando combinou bem com Neymar as investidas ao ataque no setor esquerdo. No segundo tempo, se resguardou a partir do momento em que teve de marcar Cuadrado. Joga com inteligência, coisa rara no futebol de hoje – nota 7

CASEMIRO

Diminuiu a Colômbia com intervenções cirúrgicas no desarme e passes rápidos. Assumiu a porta de entrada da defesa do Brasil, passou o cadeado e engoliu a chave. Não perdeu um lance e errou dois a três passes. Senhor do time – nota 8

PAULINHO
Mais solto em relação ao jogo da estreia de Tite. Não é aquele jogador exuberante dos tempos de Corinthians e nos primeiros passos com a Seleção. Se lançou mais ao ataque em infiltrações de surpresa. Poderia ater ter feito um gol – nota 5

GIULIANO
Entrou no lugar de Paulinho com a missão de manter o equilíbrio na marcação e agredir mais nas investidas ao ataque. Teve pouco tempo para aparecer – nota 5

RENATO AUGUSTO
Solidário o tempo todo. Soube ser marcador quando o Brasil era atacado e operário no momento de apoiar ao ataque. Faltou arriscar de longa distância. Teve boa chance de gol, mas se deixou levar pela falta de destreza na finalização – nota 7

WILLIAN
Bem mais participativo em relação ao jogo contra o Equador. Arriscou os dribles, combinou bem as triangulações no setor direito com Daniel Alves e Paulinho. Se fosse um pouco mais arrojado e estivesse em plena forma, poderia ter sido mais útil – nota 5

PHILIPE COUTINHO
Entrou na vaga de Willian e deu outra cara à Seleção. Talentoso, de bom repertório, veloz e dribles curtos, ampliou o jogo do Brasil. Recolocou Neymar na partida. E não fraquejou na hora de recompor o meio-campo nas investidas da Colômbia. Tite tem de encontrar um lugar para Coutinho entre os titulares –  nota 8

GABRIEL JESUS
Não recebeu um único passe que o deixasse em situação de gol. Trabalhou mais a serviço de Neymar e dos meias Renato Augusto e Paulinho do que propriamente ao seu jogo. Fez bem a função de pivô e não desistiu nunca de lutar – nota 6

NEYMAR
Primeiro tempo exemplar, sempre pelo setor esquerdo como está acostumado a jogar no Barcelona. Não abusou de jogadas desnecessárias e parou em duas boas defesas de Ospina. No segundo tempo, se escondeu um pouco ao sentir o ritmo pesado dos colombianos, mas decidiu o jogo com belo gol em chute cruzado. Essencial – nota 8

20160906231316_57cf77bcd68f0

TITE
Repetiu o esquema adotado na vitória contra o Equador e soube mexer no time quando a Colômbia empatou e ensaiou tomar conta da partida. Ao lançar Coutinho, restabeleceu a hierarquia do jogo. Mostrou segurança e coerência nas suas escolhas – nota 7 

Anúncios