Felipão rebate Luxemburgo na polêmica sobre corrupção no futebol chinês

Campeão no Guangzhou e perto de faturar o bi, Scolari disse que Vanderlei quis justificar seu insucesso no Tianjin, da Segunda Divisão, com declarações infundadas a respeito de armação de resultados na China

Felipão rebateu acusações de Vanderlei Luxemburgo a respeito de corrupção no futebol chinês. Demitido do Tianjin, da Segunda Divisão da China, Luxemburgo disse no programa do Galvão Bueno, na segunda-feira (03/11), que armação de resultados de jogos é uma prática nos campeonatos locais e que sua demissão foi por boicote e não por resultados ruins. Scolari não concordou e bateu pesado.

Veja o que Felipão disse em entrevista nesta quarta-feira (05/11) ao Bate Bola da ESPN:

“Acho totalmente absurdas as palavras (do Luxemburgo), totalmente infundadas. Estamos há um ano e meio no Guangzhou (atual campeão chinês) e podemos dizer que conhecemos as situações dos campeonatos aqui. Nunca ouvimos falar de algo diferente do normal”.

Felipão não amaciou e deu sua opinião sobre a polêmica criada por Vanderlei:

“Foi para justificar (o insucesso). Tu sai do seu serviço, do seu país, e pode não dar certo. Mas não justifica não conseguir atingir o objetivo, transferir para uma coisa que a China pode ter vivido há 50 anos atrás, 40 ou 30 e hoje é impossível. A federação cuida muito desses campeonatos”, garantiu o treinador.

Veja o que disse Luxemburgo no programa do Galvão Bueno sobre corrupção na China:

“Só armado (armação para entregar o jogo). Lá é constante. Há alguns anos, muitas pessoas foram presas no futebol da China. Para o futebol chinês (crescer), tem que parar com a própria corrupção no futebol chinês. O presidente da China quer mudar o futebol chinês. Tem enraizadas aquelas coisas ruins que vão sair naturalmente. O presidente da federação asiática me disse que a China deveria mudar o conceito interno. O futebol chinês vai avançar, mas terá mudança muito grande com as coisas ruins. Tem que fazer diferentes ações do que tem hoje no mercado. Nós tínhamos que avançar porque no segundo turno, os jogos estão todos prontos”, disse Vanderlei.

O furacão provocado por Luxemburgo, segundo Felipão, vai dificultar a ida de treinadores e até jogadores brasileiros ao futebol da China.

Felipão-06.jpg“Aqui no nosso clube, estamos chateadíssimos com esse tipo de atitude. Começa a ter um pouco de preconceito com os brasileiros até. Alguns comentaristas já dizem que alguns brasileiros vêm com o intuito apenas de ganhar dinheiro e não para fazer que o futebol chinês evolua.”

Fora do mercado brasileiro desde que voltou da China, ao ser demitido do Tianjin Quanjian, Luxemburgo disse que foi boicotado dentro do clube.

“A proposta de trabalho era excelente. Contrato de três anos para sair da segunda para primeira divisão. Empresários me levaram para lá, com toda estrutura. Construção de estádio e centro de treinamento, levar todo meu ‘know-how’. Quando cheguei lá, encontrei um grupo comandado pelo ex-jogador Li Weifeng, grupo que se envolvia com outros empresários. Passou a ter briga do Li Weifeng com esses empresários. Eu fiquei no meio do caminho com toda comissão técnica e os jogadores brasileiros. Ele era envolvido com umas coisas ruins do futebol chinês. Até apareceu aqui (no Brasil) sobre esse negócio de apostas”. disse Vanderlei.

Luxemburgo durou menos de seis meses no futebol chinês. Disse que se tivesse assinado contrato com o grupo de Li Weifreng teria vida longa na China:

Vanderlei Luxemburgo colocou esparadrapo na coletiva em protesto“Lá (no Guangzhou) só entra o Felipão no vestiário e ele é quem manda no futebol. Como tem que ser. Aqui, os caras que eram sérios, me levaram para lá e não levaram jogadores. Não foram eles que fizeram o negócio. Eu estava no meio do caminho. Eles fizeram proposta para mim, ligado ao Li Weifeng. Vou falar bem claro. Eles fizeram uma proposta para mim, um empresário ligado ao Li Weifeng. Tudo com o Luxemburgo acaba se ele assinar um contrato com essa pessoa. Os problemas dele acabam na China. Eu não trairia o pessoal que me levou para lá”.

Felipão não entrou em outra polêmica disparada por Luxemburgo no programa do Galvão Bueno. Preferiu elogiar o técnico, com quem travou grandes batalhas dentro e fora de campo nos anos 90 nos jogos entre Grêmio e Palmeiras.

“Ele (Luxemburgo) é muito bom treinador, mas às vezes por estar pressionado por não estar trabalhando, não ter ganho um ou outro título, fica um pouco preocupado, fala algumas coisas que não são as mais corretas”, disse Felipão.

“Querem culpar os treinadores brasileiros pelo 7 a 1. Quem levou o 7 a 1 foi o Felipão. Depois da Copa (de 2014) jogaram a culpa em cima dos treinadores, dizendo que não estamos atualizados… Não podemos ser culpados pelo 7 a 1”, bateu Luxemburgo.

A desavença entre os dois treinadores está longe de terminar. Não será surpresa se Vanderlei pedir uma réplica e rebater Felipão. Vem chumbo grosso aí.

No final da tarde dessa quarta-feira, Luxemburgo publicou na sua página no Facebook uma nota sobre a polêmica. Acompanhe:

“Queria deixar bem claro que não quis generalizar quando falei do futebol na China. Fui muito bem tratado no Tianjin. Falei também sobre casos que ocorreram por lá, que o governo já vem se esforçando para dar fim, o que é público. Basta procurar na internet. Respeito as declarações do Felipão, mas não foi a minha intenção prejudicar os profissionais brasileiros que lá trabalham e, muito menos, fechar as portas de lá para eles. Quanto ao país, eu mesmo disse que voltaria a trabalhar na China, que é um lugar maravilhoso. Assim que fui desligado, ainda fiquei mais 15 dias viajando por lá com a minha esposa.”

Anúncios