Palmeiras precisa de encontrar um goleador

32597807695_91ab5a1075_o
Barrios, autor do gol no amistoso – foto: Cesar Greco / Ag. Palmeiras

A uma semana da estreia no Campeonato Paulista, o Palmeiras deixa claro sua enorme dificuldade para fazer gols. No amistoso contra a Ponte Preta, último ensaio da pré-temporada, empatou por 1 a 1 no Allianz Parque com direito a desperdício de uma quantidade considerável de gols, em especial no primeiro tempo quando Eduardo Baptista usou a maioria de seus titulares. Não vai ser fácil encontrar uma solução. Ausência de Gabriel Jesus incomoda.

Na primeira parte do amistoso, Baptista usou um esquema com muitos ingredientes do adotado por Cuca na campanha vitoriosa no Brasileirão 2016. A estrutura era a mesma, apenas com a presença de Felipe Melo na cabeça da área. Willian, o do bigode, fez a função de Gabriel Jesus.

Habituado a jogar com o atacante de velocidade, o time se comportou bem. Criou chance de gols e só não carimbou a rede por falta de destreza nas finalizações.

Se não correspondeu lá na frente, o setor defensivo teve bom desempenho. Felipe Melo capitaneou as ações e muitas vezes chegou ao ataque com arremate de fora da área ou na bola aérea. Assumiu uma liderança que era mais coletiva na temporada passada. E saiu aplaudidíssimo aos 13 minutos do segundo tempo.

32474898761_cabba75d19_o
Felipe Melo, aplaudido pela torcida – foto: Cesar Greco / Ag. Palmeiras

Ainda no setor defensivo, a cobertura e auxílio idade a Zé Roberto não deram boas respostas. Sem muito fôlego, quando exigido na marcação, o veterano tomou muitas bolas nas costas. Um problema para o treinador resolver.

No segundo tempo, Baptista voltou com Barrios no lugar de Willian. Mesmo com um jogador a mais desde os 7 minutos – João Vitor foi expulso –, o campeão brasileiro não deslanchou. Barrios se fixou mais entre os zagueiros, mudando assim a estrutura do ataque. Perdeu alguns gols incríveis, ao receber passes precisos de Michel Bastos, até conferir aos 29 minutos. Na comemoração fez o famoso gesto do “sai Zika”. E ficou nisso.

Michel Bastos, na função de segundo volante, mostrou que pode ser útil. Vitinho, que havia assombrado no amistoso contra a Chapecoense, dessa vez não acendeu a luz. Rafael Marques teve sua chance e deu azar. Desviou uma bola com a mão: pênalti e gol de Jadson.

No resumo, Palmeiras sofreu com a falta de gols. Um problema que pode ser resolvido se levarmos em conta que a temporada ainda não começou. Não adianta mais chorar a ausência do menino Jesus.

31754087634_24058aacac_o
Eduardo Baptista vai ter trabalho – foto: Cesar Greco /Ag. Palmeiras

E é bom Baptista pensar em soluções e responder rápido. Campeão brasileiro de 2016 e recheado de atrações com jogadores que ainda nem estrearam, como o venezuelano Guerra e mais Mina Moisés, o Palmeiras está no ponto alto da vitrine.

Não por acaso a TV Globo transmitiu o amistoso contra a Ponte, que teve 22 substituições, neste domingo e já foi atendida na tabela da Copa Libertadores quando deve mostrar a maioria dos jogos do Palestra na fase de grupos. A ordem é exibir partidas do Palmeiras e deixar o Corinthians, campeão de audiência, em segundo plano.

(esse texto é uma publicação do CHUTEIRA FC)

Anúncios