Brasileirão 2017: Corinthians e Cruzeiro, irmãos gêmeos na liderança

Corinthians e Cruzeiro fecham a terceira rodada do Brasileirão 2017 na ponta da tabela, com sete pontos cada um. São portadores do futebol pragmático. Em um campeonato longo de pontos corridos essa fórmula de vencer na conta do chá tem lá sua valia, mas é cedo para indicar que os dois encontraram a trilha do título. Como também não se pode excomungar Atlético-MG e Palmeiras, até aqui decepcionantes. Muito menos o Santos, cada dia mais esquálido. Cabe ainda apontar o dedo ao São Paulo, de pé com seu treinador aprendiz após duras quedas.

EU SOU VOCÊ

Corinthians e Cruzeiro podem dar as mãos e sair por aí se vangloriando da condição de líderes. Os dois venceram por 1 a 0, Atlético-Go e Santos, respectivamente, com um futebol de entrega, dedicação e de muita segurança. Sustentaram seus jogos com equilíbrio e sem levar grandes sustos. Não por acaso, o Corinthians de Carille tem o time de Time no espelho, que, por sua vez, se inspirou nos mandamentos de Mano Menezes na passagem pelo clube paulista. Não por acaso, Mano é comandante do Cruzeiro. Na Vila, apostou na forte estrutura defensiva e na precisão de finalizadores como Thiago Neves e Ábila. Se deu bem. Corinthians e Cruzeiro, dois times como irmãos gêmeos. Têm a mesma fisionomia, apenas vestem roupas diferentes. E adotam aquela filosofia dos comuns: comprometimento.

DECEPÇÃO NA LARGADA 

Atlético-MG e Palmeiras têm algumas contas a acertar. O time mineiro, cantado como favoritaço ao título, agoniza em casa. Em dois jogos no Horto, onde quem caía estava morto, perdeu um (2 a 1 – Fluminense) e empatou  outro (2 a 2 – Ponte Preta). A queda de rendimento do Atlético no segundo tempo é visível, sinal claro da avançada média de idade do time – 32 anos. Se Roger Machado não rejuvenescer a equipe, não vai se recuperar tão cedo. O caso do Palmeiras é de identidade. Defende o título, mas ainda sem saber para que lado vai. Cuca, por mais que conheça a maioria dos jogadores, anda perdido na hora de fazer suas escolhas, de atletas e de esquema. A derrota  (2 a 0) no clássico contra o São Paulo é a tradução perfeita das incertezas de Cuca.

GOLEIROS E GOLEIROS

Gatito Fernandez, goleiro do Botafogo, fechou as traves do Engenhão na vitória por 1 a 0 em cima do Bahia. Como na crônica antiga, pegou até pensamento. Engraçado nessa história é que muito da filosofia do treinador Jair Ventura passa por atuações magníficas de alguns de seus jogadores. A cada defesa impossível de Gatito, mais Ventura se anima. Botafogo dele não gosta de ficar com a bola, gosta de sofrer e acumular vitórias agônicas. E, por falar em goleiro, Fernando Prass ganhou nota vermelha no clássico diante do São Paulo. Os dois gols sofridos podem ficar na conta de Prass. Ele mesmo confessou.

MINHA COLINA

Goleado na estreia por 4 a 0 diante do campeão Palmeiras, Vasco emitiu um sinal de que seu mal não tem cura. Duas rodadas depois, tudo mudou. Duas vitórias no velho São Januário, contra Bahia e Fluminense, devolveram a confiança perdida. No sábado, ao virar (3 a 2) para cima do Flu, reconciliou com seu passado de que na Colina quem manda é a Cruz de Malta. Não chega a ser algo extraordinário, mas tem lá seu simbolismo. Milton Mendes, o técnico, quer mandar a maioria dos jogos do Vasco na sua casa. Sabe muito bem que ali pode recuperar pontos perdidos em outras praças. É antítese do rebaixamento.

ABRAÇADOS

Atlético-GO e Vitória têm as mesmas cores, rubronegros de origem. Têm ainda em comum a falta de repertório e bons jogadores. Precisam urgente de uma reviravolta, enamorados que estão com o rebaixamento à Série B. Não fazem nada dentro e fora de casa. Em três rodadas já mandaram um forte recado aos seus torcedores: não vão longe.

(post publicado no CHUTEIRA FC – leia mais notícias e opinião de futebol)

 

VEJA OS GOLS DA TERCEIRA RODADA DO BRASILEIRÃO NA EDIÇÃO DA CBF:

http://www.cbf.com.br/noticias/campeonato-brasileiro-serie-a/videos-com-os-gols-da-3a-rodada-do-brasileirao?ref=more#.WSt3VFLOo8Y

Anúncios