São Paulo paga preço alto por formar time com jogadores fracos

0750_crop_galeria

São Paulo paga por não ser ousado e por um ataque esquálido. Depois de engatar duas vitórias consecutivas em casa, aliviar a tensão e sonhar com uma retomada no campeonato, caiu diante do Atlético-PR com a derrota por 1 a 0 neste domingo em Curitiba. Mais que o resultado ruim, o jogo deixou clara a falta de perspectiva de um time sem repertório e sem conteúdo. Vai passar as últimas rodadas em flerte absoluto com a zona de rebaixamento. O problema não é um bom dirigente, é ter jogador ruim.

Não vai ser uma travessia das mais tranquilas. O diagnóstico de que a chegada de Marco Aurélio Cunha poderia mudar o curso do rio já deu um sinal de que não é bem assim. Dirigente, por mais quilometragem que tenha e afinidade com o clube, não consegue fazer o time jogar quando faltam bons jogadores e uma proposta mais concreta em busca das vitórias.

Contra o Atlético-PR esse desequilíbrio ficou bem claro. O São Paulo usou do expediente de jogar em busca da confiança perdida. Não se expôs, não amassou o adversário. Seu modo de operar foi o de não correr riscos. Por isso repetiu a formação com três volantes e nenhum meia. Quase não avançou os laterais e, quando pôde, lançou a bola na área para Chávez resolver. Não por acaso, o argentino tem colecionado gols importantes.

No primeiro tempo, o Tricolor insistiu com essa estratégia. Não levou grandes sustos, a não ser um golpe de cabeça de Thiago Heleno com direito à defesa espetacular de Denis. Também pouco tirou o sono de Weverton, a não ser em um cruzamento de Mena que Chávez escorou e o goleiro do time paranaense evitou o gol.

28Mas no segundo tempo, quando precisava de algo mais, não encontrou soluções. Escorou o muro defensivo o quanto foi possível e na hora de propor alguma coisa percebeu mais uma vez que não tem de onde tirar. Ao sofrer o gol de Pablo, com  34 minutos, concluiu de uma vez por todas que não teria condições de reverter o quadro ou pelo menos empatar.

A sina do São Paulo é de sofrer até o fim do Brasileirão – está na 12ª colocação, a seis pontos da zona da degola.

Quando o treinador mexe no time e troca Wesley por Michel Bastos, na tentativa de dar mais criatividade ao time, como fez no segundo tempo contra o Atlético, é um sinal de que o São Paulo não tem jeito mesmo.

FICHA DO JOGO

Atlético-PR 1 x 0 São Paulo

Gol: Pablo, aos 34 minutos do segundo tempo.

Atlético-PR: Weverton, Leo, Paulo André, Thiago Heleno e; Otávio, Hernani e Matheus Rossetto (Luciano Cabral/Renan Paulino ); Lucas Fernandes (Juninho), André Lima e Pablo. Técnico: Paulo Autuori

São Paulo: Denis, Buffarini, Maicon (Lyanco), Rodrigo Caio e Mena; Hudson, Thiago Mendes e Wesley (Michel Bastos); Kelvin (Robson), Chávez e Cueva. Técnico: Ricardo Gomes

Juiz: Anderson Daronco
Cartões amarelos: Leo e Denis
Local: Arena da Baixada

Anúncios