Começa a Copa América dos craques e das propinas

3f6u5e5j5u_8y18v5vbzg_file
Rose Bowl, estádio da conquista do tetra em 94 e da estreia do Brasil na Copa Centenário

 

logo-copa-centenario-750-pxEstados Unidos e Colômbia abrem nesta sexta-feira, às 23h (de Brasília), a Copa América Centenário, torneio marcado por um fabuloso escândalo de corrupção que levou à prisão a maioria dos dirigentes sul-americanos e agentes de marketing. Entre eles, José Maria Marin, ex-presidente da CBF (2012 a 2015), preso em cárcere domiciliar em Nova York, acusado de embolsar milhares de dólares em propinas.

Não é só Marin, entre os cartolas brasileiros, que está enroscado. A mesma investigação do Ministério Público dos Estados Unidos, responsável por enjaular o ex-presidente da CBF, também alcançou o empresário J. Hawilla, um dos mentores e pagador das propinas aos dirigentes das Américas do Sul, Central e do Norte.

Essa história de corrupção no futebol, que atingiu também o coração da Fifa, veio a público há exatamente um ano quando agentes do FBI e a Justiça americana deram início às prisões de cartolas e executivos de marketing esportivo.

Os envolvidos caíram na rede dos federais dos EUA quando usaram instituições financeiras americanas para receber as propinas relativas à venda dos direitos de transmissão da televisão das edições da Copa América de 2015, 2019 e 2023 e mais a Copa América Centenário de 2016, com sede nos Estados Unidos.

Quem distribuía a grana aos cartolas era J. Hawilla, empresário bem-sucedido no marketing esportivo no Brasil e em toda a América do Sul com sua agência Traffic.

2972739700000578-3115059-image-a-69_1433766440481

Hawilla se associou aos argentinos Alejandro Burzaco e a Hugo Jinks e Mariano Jinks (pai e filho), também donos de agências de marketing. Os quatro eram concorrentes, até então, na compra de direitos de transmissão de torneios de futebol nas Américas.

Para facilitar seus negócios, eles criaram a empresa Datisa em 2013 e firmaram um contrato com a Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) e Concacaf, a confederação que dirige o futebol nas Américas Central e do Norte e ainda na região do Caribe.

O valor do contrato da Datisa com a Conmebol e Concacaf foi de R$ 1 bilhão pelos direitos da Copa América de 2015, 2019 e 2023 e a do Centenário em 2016.

Evidente que, para chegar a esse acordo, se fez necessário pagar propinas aos cartolas com cargos diretivos nessas confederações. Chegou-se ao valor de R$ 350 milhões que seriam divididos entre a cartolagem.

Quando parte desse dinheiro, cerca de R$ 126 milhões, entrou na ciranda das instituições financeiras dos Estados Unidos, o Fisco americano percebeu que ali havia maracutaia. De onde vinha a dinheirama? Agentes do FBI entraram em ação e descobriram o ninho de ratos dos cartolas. Daí se instauraram os processos investigativos e acusatórios contra os dirigentes pegos com a mão na botija.

Dos brasileiros envolvidos na sujeira, apenas Marin cumpre prisão domiciliar nos EUA. Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF, e Marco Polo Del Nero, o atual, estão sendo investigados nesse processo, segundo o Ministério Público dos EUA. Teixeira e Del Nero têm residência no Brasil e daqui não arredam pé.

O TORNEIO

8xzwvya0pz_2nn7iepdrj_file

Passado a limpo esse caso de corrupção do futebol, a Copa América Centenário começa nesta sexta-feira. São 16 seleções divididas em quatro grupos. Na primeira fase, classificam-se as duas primeiras de cada grupo às quartas de final. Depois teremos as semifinais e a final.

OS GRUPOS

CbyOYKnWAAA4Qm5_jpg large

 

O Brasil estreia neste sábado, às 23h (de Brasília), contra o Equador em Pasadena.

Para quem gosta de futebol, veja os gols de alguns craques que vão jogar na Copa América Centenário nos Estados Unidos:

ALEXI SANCHES (Chile)

CAVANI (Uruguai)

AGUERO (Argentina)

Acompanhe no Blog do Prósperi as análises dos jogos e tudo da Seleção Brasileira. Bom futebol a todos.

Anúncios