São Paulo, sem alma, sente falta de Calleri no empate com Sport

 

pro3-6

São Paulo fez quase tudo certo contra o Sport no Morumbi. Se defendeu de forma razoável, apesar de alguns vacilos de Maicon, controlou o jogo com expressiva posse de bola, chegou com volume na zona de gol do adversário e não conseguiu carimbar Magrão. Sem Calleri, há um divórcio do Tricolor e a rede do inimigo. Se adversidade é evidente, é preciso ter alma.

O artilheiro, expulso na última rodada por reclamar da arbitragem, fez muita falta nesta quinta-feira (23/6) no gelado Morumbi. O time o procurou os 90 minutos com cruzamentos das laterais, troca de passes em busca do melhor ângulo para chutar o gol, mas não teve ninguém com o faro do atacante argentino.

Por isso, amargou o empate no quinto jogo em casa em 10 rodadas do Brasileirão. Resultado ruim. Antes, havia vencido duas e perdido duas em seus domínios.

ANÁLISE DO JOGO 

No primeiro tempo, mesmo absoluto, o São Paulo pouco incomodou o goleiro Magrão. Uma finalização errada de Ganso, quase na pequena área, e um chute de Michel Bastos, os sustos ao Sport. Lentidão na saíuda de bola nos pés de Schimidt e Thiago Mendes irritaram não só torcedores como também Bauza. Havia muita posse de bola e pouca lucidez.

Era preciso mais agilidade no jogo do São Paulo, encaminhar mais rápida a transição ao ataque, para fazer valer a posse de bola e quebrar o sistema defensivo do time pernambucano. Quando saiu com os laterais Bruno e Matheus Reis se deu bem. Quando insistiu com Michel Bastos e Kelvin, perdeu tempo.

O Sport se agrupou em seu campo com a clara proposta de contra-atacar tendo como ponto de partida a inteligência e habilidade de Diego Souza. Por duas vezes ele entortou Maicon, mas arrematou sem força. Pouco para um time que habita o lado escuro do campeonato.

PRO-6

Bauza sabia que o adversário provocaria um congestionamento no campo de defesa. Sem Calleri, sua referência na grande área, tentou uma armadilha com Ytalo na função de 9 e com Ganso mais próximo da zona de finalização. Queria tirar proveito da boa técnica de Ytalo e a destreza de Ganso. Os dois não se encontraram.

No segundo tempo, aos 11 minutos, o treinador argentino perde Kelvin – estiramento na coxa esquerda. Centurión foi para o jogo, um jeito de o time continuar com o mesmo esquema.

O São Paulo foi para cima. Havia alugado o campo do Sport. Tomou posse do terreno e obrigou Magrão a fazer defesas importantes. A bola começou a voar na área pernambucana.

Bauza trocou Ytalo por Alan Kardec, referência no jogo aéreo. Depois sacou o volante Schimidt e deu vez ao garoto Luiz Araújo, atrevido e vertical. Michel Bastos passou a ser o segundo volante. Boas mudanças, mas na prática não funcionaram.

Nos minutos finais, o Sport perdeu boa chance de gol em contra-ataque articulado por Diego Souza e o São Paulo desperdiçou um contragolpe em finalização equivocada de Thiago Mendes – elas por elas.

O Tricolor sentiu falta de seu artilheiro Calleri, expulso por reclamação na partida contra o Flamengo no domingo. E perdeu dois pontos importantes no Morumbi.É preciso um pouco mais de alma em casa, como esse time já mostrou na Copa Libertadores.

FICHA DO JOGO

São Paulo 0 x 0 Sport

São Paulo: Denis, Bruno, Maicon, Rodrigo Caio e Matheus Reis; Thiago Mendes, Schmidt (Luiz Araújo), Ganso, Michel Bastos e Kelvin (Centurión); Ytalo (Alan Kardec). Técnico: Edgardo Bauza

Sport: Magrão, Samuel Xavier, Matheus Ferraz, Durval  e Rodney; Serginho (Rodrigo Mancha), Richely, Everton Felipe (Luiz Antônio) e Diego Souza; Edmilson (Lenis). Técnico: Oswaldo de Oliveira

Juiz: Rafael Traci
Cartões amarelos: EdmilsonSamuel Xavier
Renda: R$ 321.698,00
Público: 11 145 pagantes
Local: Morumbi