São Paulo erra se apostar em Rogerio Ceni na temporada 2017

bac640c96c6t0005São Paulo ainda não sabe o que fazer na próxima temporada. Um pouco mais tranquilo com duas vitórias consecutivas no Brasileirão, o comando do clube elogia Ricardo Gomes por aproveitar garotos da base nessa reta final do campeonato. Decisão aprovada por unanimidade que encaminharia o treinador a permanecer no Morumbi em 2017. O problema é Rogerio Ceni e seus recados de que trabalha para ser treinador do São Paulo em breve. Legítima pretensão do ex-goleiro, mas um risco desnecessário ao clube.

Dar ao ídolo o comando do futebol no próximo ano pode levar o clube a viver o mesmo drama das últimas temporadas quando investiu em treinadores estrangeiros e se sentiu abandonado no meio do caminho. Juan Carlos Osorio e Egardo Bauza não acrescentaram nada ao Tricolor.

Ceni ainda não é um técnico de futebol. É um aprendiz. Bebe nas melhores fontes da Europa e tem tudo para se dar bem nesta nova profissão. Daí assumir o São Paulo em 2017 soa uma temeridade.

a17afgtq7c3pcejoe1ofsvlu8“Estou trabalhando para ser treinador do meu clube, onde estive por quase 26 anos. Creio que a oportunidade um dia vai chegar. Estou fazendo um curso de técnico em Londres e vim aqui (na Espanha) por admiração a Jorge Sampaoli, por seu trabalho na seleção do Chile e agora no Sevilla. Sempre gostei de seu estilo de jogo ofensivo e agressivo a todo tempo e como pretendo seguir carreira de treinador, achei que seria importante passar uns dias com ele. Para mim é uma honra”, disse Rogerio Ceni

Em abril, o São Paulo terá de escolher um novo presidente em pleno Campeonato Paulista e a um mês do início do Brasileirão. Momento de tradicional turbulência política com efeitos para o bem e para o mal no time de futebol.

Seja qual for o treinador, a pressão vai ser enorme em busca de bons resultados no campo. No caso de Ceni, pior ainda. Ninguém, do porteiro do Morumbi ao dirigente da mais alta patente, vai ter coragem de mexer com o ex-goleiro, o mito.

Aliás, nem seria bom Ceni correr esse risco. Se virar técnico do São Paulo em 2017 pode ficar no meio do caminho. Nem adianta recorrer ao exemplo de Pep Guardiola no Barcelona. Antes de assumir o time de cima e o transformar em uma máquina de títulos, Guardiola amassou muito barro no Barcelona B até ser eleito, de forma natural, a técnico dos cobras e com orçamento astronômico.

tele-santana-comanda-treino-observado-por-muricy-ramalho-em-1995-1393371946821_956x500Um caminho interessante ao ex-goleiro seria montar um “expressinho” dentro do São Paulo, como fez Muricy Ramalho nos tempos de Telê Santana. No comando de uma equipe secundária, Rogerio Ceni acumularia quilometragem até chegar, seguindo o curso normal do rio, ao time principal.

Se “o mito”, como a torcida o trata, insistir em ser o treinador do Tricolor já em 2017 pode sofrer uma grande decepção logo na sua primeira temporada nesta nova profissão.

Nem Ceni nem o São Paulo têm o direito de cometer esse erro. Clubes brasileiros não costumam respeitar seus ídolos do passado e os ídolos não podem colocar na cabeça que são imortais na casa onde nasceram.

Anúncios