Palmeiras pune ex-presidente, assim como São Paulo e Santos

Luiz Gonzaga Belluzzo é suspenso por um ano do quadro de sócios do Palestra. Carlos Miguel Aidar, no São Paulo, e Odílio Rodrigues, no Santos, não tiveram a mesma ‘sorte’ e foram expulsos de seus clubes

images-2images

O Palmeiras não se emenda. Em um momento de retomada da confiança no time neste início de Brasileirão, o clube revolve suas entranhas com as eternas brigas políticas. A intriga mais recente se deu na madrugada desta terça-feira com a suspensão por 365 dias do ex-presidente Luiz Gonzaga Belluzzo por “má gestão e irregularidades” no exercício de seu mandato, de 2009 a 2010.

Belluzzo disse que vai recorrer à Justiça para anular a reunião do Conselho Deliberativo (CD) do clube que decidiu, por meio de votação dos conselheiros, pela sua suspensão do quadro de sócio do clube por um ano. Suas contas não foram aprovadas pelo CD.

A punição ao dirigente, segundo relatos de alguns conselheiros, é mais um capítulo da histórica divisão política no Palmeiras. O processo, segundo fontes, foi conduzido pelo ex-presidente Mustafá Contursi, com apoio do atual presidente Paulo Nobre.

Contursi e Belluzzo não se bicam há décadas. Eles se estranham desde o início da década de 1990, quando, por meio de um acordo comercial, Belluzzo conseguiu trazer a Parmalat para atuar como gestora e investidora do futebol do Palmeiras.

286234-970x600-1

Belluzzo costurou o acordo com a multinacional italiana e o maior beneficiário foi Mustafá Contursi, na época presidente do clube. Alicerçado nas conquistas do time (foto), entre 1993 a 1999, Mustafá estendeu seu mandato até 2002 com reformas estatutárias.

Mais tarde, nova rusga entre os dois a partir do momento em que Belluzzo alinhavou o contrato com a WTorre para a construção do Allianz Parque (foto), o novo estádio do Palmeiras em cima do velho Palestra Itália. Contursi teria ficado com ciúmes do rival por não ter sido ele a dar o aval à nova arena do Palmeiras.

UnknownE Paulo Nobre não gostou da forma como o contrato foi amarrado com a WTorre. Não por acaso discute em uma Corte Arbitral alguns artigos desse acordo comercial do clube com a construtora da arena.

“Eu fiz duas coisas ‘péssimas’ para o Palmeiras: levei a Parmalat e fiz o estádio. Eles não toleram esse tipo de coisa. Construir uma arena sem dever um tostão é coisa que causa ressentimento”, disse Belluzzo ao blogueiro Luciano Borges (Blog do Boleiro no site UOL).

O ex-presidente recebeu críticas pela má gestão, empréstimos bancários e até a recontratação de Valdivia por mais de R$ 20 milhões em 2010.

No campo de jogo na gestão de Belluzzo, o time de 2009 caiu na Libertadores nas quartas de final, com Vanderlei Luxemburgo no comando, e esteve muito próximo de ser campeão brasileiro ao liderar várias rodadas com Muricy Ramalho. Naquele Brasileirão, o Palmeiras ficou em quinto lugar.

Aquela equipe foi montada por Luxemburgo, após Belluzzo acertar uma parceria com a Traffic de J.Hawilla.

OUTROS CLUBES

images-4A vida não anda nada fácil para ex-presidentes de grandes clubes paulistas. Há coisa de um mês, Carlos Miguel Aidar (foto), eleito presidente em abril 2014, foi expulso do São Paulo no início de 2016, após denúncias de corrupção no clube em outubro de 2015.

Aidar caiu após uma desavença com o então diretor Ataíde Gil Guerreiro, que gravou uma conversa com o ex-presidente sobre divisão de comissão na venda de jogadores.

No Santos, o ex-presidente Odílio Rodrigues também foi expulso do clube em janeiro de 2016, acusado de má gestão e também irregularidades na venda de Neymar ao Barcelona em 2013.

Anúncios