São Paulo, sem projeto, joga suas fichas em Ricardo Gomes

O CRÉDITO DA FOTO É OBRIGATÓRIO: Vítor Silva/SSPress/Botafogo
Ricardo Gomes em um treino do Botafogo em General Severiano

São Paulo anunciou a contratação de Ricardo Gomes, técnico do Botafogo, neste início de noite desta sexta-feira (12/8). Ao investir em um treinador empregado, o clube paulista deixou de lado a possibilidade de efetivar André Jardine, interino que veio da base em socorro do time de cima. E, mais uma vez, vai jogar no escuro.

Ricardo Gomes está muito longe de ser unanimidade entre os mais gabaritados técnicos em atividade no futebol brasileiro. Problemas de saúde à parte, fez bom trabalho no Vasco e um, digamos, correto no Botafogo.

Pesa a favor do treinador no clube carioca, o baixo orçamento e as dificuldades de se formar um grande time. Gomes tinha poucas no elenco opções e sua luta era não deixar o Botafogo ser rebaixado novamente. E para por aí.

No São Paulo, com recursos e material mais bem qualificado, o treinador tem condições de desenvolver um bom trabalho. Mas não vai ser nada fácil levar o time de volta à Libertadores, principal objetivo dos cartolas neste momento.

Não era o novo comandante que a torcida são-paulina gostaria de ver no time, após a saída de Edgardo Bauza e a breve passagem do interino Jardine.

Gomes não tem o perfil de revolucionar um time, dar uma chacoalhada nos jogadores e engatar a quinta marcha, por exemplo, neste segundo turno do Brasileirão. O São Paulo nas suas mãos será um time organizadinho e rápido no ataque. Nada mais.

ricardo-gomes-sao-pauloAo pensar em Ricardo Gomes, dirigentes do Tricolor recorreram à campanha do treinador no time paulista em 2009 quando brigou até a última rodada com o Flamengo pelo título do Campeonato Brasileiro. E, em 2010, até ser eliminado pelo Internacional nas semifinais da Libertadores.

Em números, Gomes acumulou 38 vitórias, 15 empates e 20 derrotas em 73 jogos no comando do Tricolor. Tudo isso, há seis anos.

Até por esse passado no Morumbi, Ricardo Gomes é apenas uma boa aposta do Tricolor, nada mais que isso. Assim como foram Juan Carlos Osorio e Edgardo Bauza, treinadores com visões distintas e características bem diferentes. Osorio valorizava a troca de passes, futebol mais acadêmico. Bauza tinha como obsessão a ordem no sistema defensivo.

Nem Osorio, nem Bauza vingaram no São Paulo. Mesmo fracassados no clube paulista, se deram bem ao assumirem as seleções do México e da Argentina.

Ricardo Gomes vem aí. A torcida pode ficar tranquila. O novo treinador não vai deixar o clube paulista tão cedo para dirigir a Seleção Brasileira.

Anúncios